Menu

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Os Pichicegos - Rodolfo Fogwill

Livro - Os Pichicegos


Título: Os Pichicegos, Malvinas: Uma Batalha Subterrânea
Título Original: Los Pichiciegos
Número de Páginas: 144
Autor: Rodolfo Fogwill
Editora: Casa da Palavra

      Os Pichicegos: Malvinas, uma batalha subterrânea é um livro de ficção que se passa na Guerra das Malvinas, escrito pelo argentino Rodolfo Fogwill.

Quis sair devagar, para não respirar mais aquele ar que tinha matado todos. Depois, do lado de fora, entendeu: os fios das antenas dos britânicos tinham ajudado a neve a fechar a saída da estufa; a cinza acumulada embaixo por descuido do Pipo – também nisso dava para ver o fim -, tinha formado gás, o gás que não conseguiu subir tinha envenenado todos. Respirou o ar frio. O enjoo estava pesando. Depois, se lembrar bem, acha que chorou um pouco.

Breve contexto do livro: A Guerra das Malvinas foi uma guerra que ocorreu entre a Argentina e a Grã Bretanha em 1982 pelo controle de um pequeno arquipélago no Atlântico Sul, as ilhas Malvinas. As ilhas são controladas deste 1883 pelos britânicos, mas por sua proximidade geográfica com o arquipélago, os argentinos nunca aceitaram bem este fato. Nessa época, a Argentina sofria com a ditadura militar de Leopoldo Galtieri que, para levantar sua popularidade e unir o povo argentino, resolveu de uma vez por todas tomar o controle da Ilha. No dia 2 de Abril de 1982 as tropas argentinas ocuparam a ilha e alcançaram a capital com uma força de 10 mil soldados, mas os britânicos acabaram reagindo rapidamente à invasão e enviaram 28 mil soldados para confrontar o exército de Leopoldo, apoiados pelos Estados Unidos da América (pois as duas nações faziam parte da OTAN – Organização do Tratado do Atlântico Norte). As tropas argentinas eram constituídas em sua maior parte de cidadãos comuns sem experiência militar e treinamento, armados com fuzis antigos e defeituosos. Por outro lado, todos os britânicos eram soldados treinados e com experiência militar, que contavam com armamentos modernos cedidos pela OTAN. Devido a superioridade dos exército britânicos, houve rendições em massa de argentinos e um verdadeiro massacre por parte dos britânicos. Após perderem a capital e diversas outras cidades, o exército argentino se rendeu no dia 14 de Junho, após pouco mais de dois meses de combates, deixando um saldo de batalha de 750 mortos do lado argentinos e 256 mortos britânicos.

         Os Pichicegos são um grupo de desertores do exército argentino, que fugiram dos conflitos contra os britânicos e lutam pela sua própria sobrevivência. Este grupo criou abrigos subterrâneos para se esconder das tropas argentinas e do frio extremo. Para sobreviver neste cenário de guerra, os pichi saíam do esconderijo a noite (para evitar serem surpreendidos pelos argentinos e britânicos) e iam para as bases dos britânicos, onde informavam para eles a localização de inúmeras bases e alvos estratégicos argentinos para serem servirem de alvo, em troca de mantimentos (roupas, comida, pilhas, cigarros, entre outros) para a sobrevivência do grupo.  Os alvos então eram bombardeados pelas esquadrilhas britânicas e os pichis voltavam para seu esconderijo, sem lamentar pela alta traição da pátria e a pela morte de centenas de conterrâneos.

      O instinto de sobrevivência se sobrepõem ao patriotismo, em meio a tantas mortes, fome e o frio terrível, os pichicegos limitam-se a fugir da guerra e se resguardarem. Passam os dias nos buracos escuros, sujos e sufocantes do esconderijo, criando suas próprias leis para manter a sobrevivência e conversando durante as horas do dia enquanto anseiam pelo fim da guerra e o retorno para seus lares.

       Os Pichicegos: Malvinas, uma batalha subterrânea foi proibido na Argentina e países da América do Sul, em meio ao nacionalismo gritado pelos generais argentinos e pelo ditador Leopoldo, Fogwill nos mostra o outro lado da guerra. Um livro impactante e brutal, com uma linguagem simples e direta em que o autor nos faz refletir sobre a guerra, a condição humana e o nosso instinto de nos mantermos vivos em frente a qualquer adversidade. Este livro não é um relato sobre a Guerra das Malvinas, e sim, o relato de toda as guerras sangrentas e inúteis, proporcionadas por homens loucos, sedentos de sangue e deturpados pelo poder.


Resenha escrita por Guilherme

Nenhum comentário:

Postar um comentário